domingo, 20 de setembro de 2015

Desencontros


Em que estrada da vida começamos a nos perder?
Em que parte do caminho nos desencontramos?
Nessas idas e vindas onde deixamos o nosso amor?
Não sou mais seu bem querer? Ou estou querendo demais?
Já aprendi a viver com a saudade apesar da dor que ela me causa.
Mas sinto que a indiferença quer fazer morada...
E meu bem, a indiferença é pior que o ódio.
Eu não quero que nos percamos, mas também não quero me perder de mim.
Espero que possamos nos reencontrar.
Achar a chama que acendia o nosso amor.
Que eu possa te olhar com o mesmo brilho nos olhos.
É o que mais quero, embora parte de mim não acredite mais...

2 comentários:

  1. Tally, espero que essa angústia seja licença poética apenas. Que seu coração esteja em reencontro, sempre.

    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelas palavras Magda... " O poeta é um fingidor, finge tão completamente que chega a fingir que é dor a dor que deveras sente."

      Excluir

Toque uma nota.